Páginas

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Ame e será amado!



Todas as vezes que a inspiração me envolve para escrever, sinto que de alguma forma, escrevo para mim mesma. E sempre aproveito para expandir essa energia que me acompanha não só passando para o computador, mas primeiramente fazendo um trabalho de auto conscientização e expansão áurica, para que, de um jeito ou de outro, esse sentimento flua em direção para quem esteja necessitando. Depois escrevo. E aqui estou.
Sinto que devo falar de posses e de seguranças, que vivemos querendo adquirir e de medos que inconscientemente absorvemos mediante a essas carências.
Vocês notam que quando nos sentimos seguros não sentimos medo? Quando achamos que encontramos a verdade sobre algo, o medo desaparece. Nesse instante passamos a viver no momento presente apenas, nos esquecendo do passado e do futuro. E é nessa hora, que as coisas que tanto queremos acontecem como num passe de mágica.
Será que inconscientemente buscamos estarmos seguros o tempo todo para ficarmos numa zona de conforto? Sim, pois quando estamos inseguros, nossas emoções veem à tona e transparecemos desequilibrados e incoerentes com a nossa essência, que é perfeita.
Na verdade, a busca da segurança na posse de uma vida financeira independente, na posse do amor do outro, das ideias e crenças, da sabedoria e do conhecimento, é nada mais nada menos que uma defesa que usamos para resistir ao momento de impasse em nossas vidas que nos coloca diante da mudança. Mudança essa, que nos levará ao autoconhecimento e transformação para um entendimento único e verdadeiramente “seguro” sobre nós mesmos. Sobre a nossa verdadeira identidade. E não a pseudo verdade que construímos que nos coloca a salvos e protegidos por um tempo. A princípio sentimos certo conforto com essa proteção, mas se tivermos coragem de ver, de analisar e de se auto observar, veremos que fazemos isso constantemente para nos defender de pessoas, sentimentos e situações que nem sabemos ao certo o porquê.
Mas a vida nos mostra através de situações, que de nada adianta construirmos essa fortaleza, pois momento após momento, nossos pensamentos mudam, se transformam numa contínua transitoriedade destruindo todo o conhecimento e certeza anterior.
A vida é movimento. E nesse movimento estamos nós, simples humanos, de essência Divina, espírito criativo e potencialmente amoroso.
Vamos parar com as substituições de metas, de alvos, de crenças e simplesmente observar a vida em si, sem medos e inseguranças. Encapamos e disfarçamos nossos sentimentos, afim de que os outros nos vejam como realizados na troca dos relacionamentos. Isso tudo por medo de parecer frágil o bastante e ser machucado e desvalorizado.
Até quando vamos perder as chances de vivermos conexões altamente iluminadas pelo amor, pelo simples fato de não querermos “baixar a bola” e emudecermos o nosso ego que nesse contexto nos atrapalha? Achamos que somos resolvidos nos relacionamentos. Mas não. É muito fácil expandirmos amor para a humanidade, para um povo que passa fome, por doentes terminais, por crianças de rua...nos perdemos nessa expansão acreditando que passamos do nível de troca à dois. Grande engano! Aí é que está o grande lance! E ao mesmo tempo o grande erro de achar que transpassou esse capítulo da vida!
Podemos passar uma vida de compaixão para a humanidade. Mas se não conseguirmos trocar com cumplicidade o amor entre duas pessoas, teremos ainda muitas outras vidas para exercitarmos essa troca.
E o engano de acreditarmos que passamos do nível de troca à dois, faz com que inconscientemente substituímos pela humanidade. É o desejo de segurança sem questionamentos. Por isso, fiquem atentos se não estão buscando a verdade ou a segurança permanente que te acalantam.
Assim, perceba que seu ego irá tentar fazer com que você fuja do relacionamento, seja pelo apego, seja pelo desapego. Analise se não está sendo raso e não profundo nas trocas, se isolando e ao mesmo tempo se enganando pela substituição da troca com a humanidade.
Paz e Luz em seus corações!

Por Liliane Moura Martins

domingo, 23 de setembro de 2012

Vídeo com trechos do livro "Projeção Astral, o despertar da Consciência" de Liliane Moura Martins


domingo, 26 de agosto de 2012

Exercício do Sol do Amor



Em algum lugar de sua casa em que se sinta bem, sente-se confortavelmente, feche os olhos, una as palmas de suas mãos e leve-as ao centro do peito, no chakra cardíaco*. Eleve seus pensamentos e sentimentos a algo além de você, Deus, Energia cósmica, o Todo ou a uma Luz imanente. Você pode também colocar alguma música que goste e que se sinta bem ao ouvi-la. Ao se sentir conectado e no silêncio da Alma, imagine-se sentado em frente ao mar, sentindo a areia tocar seus pés, ouvindo o som das ondas se quebrando, juntamente com o som da espuma se desfazendo...O sol está se pondo na sua frente começando a tocar o horizonte que permeia o mar...ele emana a sua luz em direção a você invadindo toda a sua aura** de brilho fazendo-a pulsar e crescer como um balão.
A mesma luz é irradiada diretamente no seu chakra frontal, no meio de suas sobrancelhas e você sente a mesma pulsação energética. Sinta o seu coração receber essa luz do sol também. Levante suas mãos e as espalme para frente em direção ao mar. Visualize sair delas fachos de energia em sua volta. Ao mesmo tempo sentirá que a sua aura começa a irradiar a mesma energia luminosa em todas as direções. Sinta a sua expansão áurica***. Sinta a expansão do sentimento que nasce de dentro e pense em alguém que nesse momento está precisando desse amor, dessa luz de cura e imagine essa pessoa sendo envolvida com essa energia pura, de paz, de devoção e compaixão restabelecendo todos os seus corpos sutis**** e físico.
Depois de visualizar cada pessoa que queira emanar esse amor, pense na humanidade e em todos os seres do Universo, encarnados e desencarnados com muita compaixão pedindo aos nossos amigos espirituais que nos acompanham que aconteça o melhor para cada uma delas.
Fique assim, quietinho por mais algum tempo, escutando a música e devagar, sinta seu corpo físico, o ambiente em sua volta, e abrindo seus olhos, agradeça humildemente por ter recebido e emanado o sentimento mais puro e sincero incondicionalmente.
Muitas vezes nos damos conta de que deixamos de sentir...perdemos a sensibilidade, perdemos o contato com a própria sensação...e apenas vamos vivendo como robôs insensíveis andando por aí sem ao menos darmos que seja, um sorriso ao dia. Quantas vezes você já sorriu hoje para alguém? Ou melhor, você já se pegou sorrindo do nada, sozinha hoje? Essa sensação descrita, relacionamos apenas com o estar apaixonada. Ficamos na Lua, não é mesmo? Já pensaram como seria se sentíssemos a todo instante essa sensação de paixão pela vida? Paixão por simplesmente estar vivo! E sorrir para você mesmo! Quando se der conta, as pessoas estarão sorrindo pra você ao te ver, pois sua emanação de amor tocará seus corações.
O amor é frágil, apesar de único e verdadeiro, singelo e puro, ele é frágil ao ponto de merecer sempre a sua atenção. Para mantermos a compaixão, a paixão e o amor acesos, devemos doar cada vez mais minutos, horas de nossos dias em prol dessa relação. Seja ela com amigos, com parentes, com parceiros, com animais ou com a natureza. Se não houver troca, não há o despertar desse amor. Quando eu toco o seu coração, o desperto para a vida motivando-o a sentir o mesmo. Com um simples olhar profundo, com um beijo, com um carinho, com uma palavra amorosa, desenvolvemos uma relação duradoura através de sensações que se propagam construindo um mesmo caminho a seguir...juntos trilhando a mesma meta de querer despertar o amor como válvula propulsora da própria vida. Quando eu descubro o amor em você, sinto-o em mim. E assim, juntos despertaremos o mesmo amor para a humanidade inteira. Mas lembrem-se sempre que se não houver atenção no amor, o mesmo se tornará frágil e perderá suas forças caindo no esquecimento da sensação mais viva que já sentiram. Mas a referência fica e o código de acesso, é a senha do amor. Olhar, sentir, tocar, atender o chamado do coração, entrega desprovido de amarras, carinho, romance, namoro, troca, abertura espiritual, emanação e captação de energia, palavras de conforto, de lembranças, de amor e de amizade. Saudar o Divino que habita em mim e eu saudar o Divino que habita em ti. O que mais precisamos para viver?

Paz e Luz em seu coração!

Liliane Moura Martins

*Chakras: do sânscrito - são vórtices de luz situados no corpo energético conhecido como campo bioeletromagnético ou duplo et[erico e tem como função principal a absorção de energia para o corpo físico. Temos o Chakra coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, umbilical, sexual e básico, cada qual ligado a uma glândula endócrina correspondente.
**Aura: do latim - sopro de ar: halo luminoso de distintas cores que envolvem o corpo físico e que reflete, energeticamente, o que a pessoa pensa, sente e vivencia em sua vida; também conhecido como psicosfera e campo energético.
***Expansão áurica: Emanação e irradiação energética da aura humana. Ballonemant ou sentir-se inflando como um balão.
****Corpos sutis: Veículos de manifestação da Consciência. Temos o corpo mental, o corpo espiritual, também conhecido como corpo de luz, espírito, corpo, astral, psicossoma  e o corpo energético (campo bioeletromagnético ou dulpo etérico citado acima). Já o corpo físico, entra na classificação de corpo denso.

Trecho do Livro "Viajando nas Estrelas."



"Crianças, a nova Era reside em vocês. Vocês são a semente da mudança em seu Planeta. Cada um tem um compromisso com a verdade e um encontro marcado com si mesmo, com o seu espírito, com a sua luz e, por fim, com a humanidade inteira. Cada um pode trazer as soluções de um mundo melhor, pois se o que existe em sua volta é o reflexo do que são, vocês são o começo de tudo de bom e o fim de tudo que é ruim. Dentro de vocês tem a semente da possibilidade do novo, do paraíso, do bom e do belo.
A vibração das pessoas, a sintonia das pessoas no bem é que fará a nova Era. Devem persistir para vencerem. Abrir a janela da luz do futuro e enxergar a claridade de um novo sentimento. Vocês não tem só um compromisso com vocês mesmas, mas também com a sua época e com o tempo em que estão vivendo.
As coisas mudam porque um grupo pensa diferente. E a força dessas ideias vai revigorando, restaurando, revitalizando e abrindo portas antes fechadas. Portanto, a história inteira do Planeta pode mudar! Basta que vocês, crianças acreditem em si mesmas! Muita Paz e muita Luz em seus corações!"

Por Liliane Moura Martins

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Experimente!

Se o teu espírito te dá inspiração e intuição, ele te dá também as condições de realização. Se você arriscar, desenvolver e usar suas habilidades, a natureza te oferece tudo. Você com as suas habilidades faz acontecer. Quanto mais você aproveita para aprender, mais você tem. Estimule o teu potencial e o dos outros em sua volta. A habilidade de criar gera responsabilidade e confiança em lidar com o mundo, desenvolvendo suas faculdades interiores. Quando você quer aprender com as situações boas e ruins, o Universo te envia inspiração, motivação e soluções como respostas. Se você é claro sobre o que quer, o mundo em sua volta responde com clareza. Se você mantém o foco no seu alvo, os obstáculos não aparecem. Escolher a sua meta e mantê-la muda tudo. Esse passo é indispensável para você conseguir realizar coisas na vida. A felicidade existe onde há interesse. Tente experimentar. Vá em busca de algo para se apaixonar. Quando algo ilumina e incendeia sua alma, as possibilidades aparecem. Decida o que você quer! Cada um de nós tem um fogo no coração para alguma coisa. É nossa meta na vida encontrá-lo e mantê-lo aceso. Um músico precisa compor, um artista precisa pintar, um poeta precisa escrever para ele estar completamente em paz consigo mesmo. O que um homem pode ser, ele deve ser, pois a vontade e a motivação criam seus próprios talentos, e os talentos criam as possibilidades. Lembre-se que envelhecemos quando abandonamos nossos ideais e rejuvenecemos quando somos capazes de sonhar!
Liliane Moura Martins

Evolução e o despertar


Existe a evolução? Ou apenas o despertar?
O grande obstáculo para aqueles que trilham o caminho espiritual é a idéia de que existe um "eu" presente em suas vidas. Elas, então, esperam que algum dia este mesmo "eu" possa atingir ou alcançar a iluminação, o sublime despertar. Não poderia haver equívoco maior! O "eu", por definição, não existe. Ele não passa de um conjunto de imagens projetadas na mente, imagens do passado ou, em outras palavras, um conjunto de hábitos e padrões fortemente arraigados atuando sob a forma de alguém.

                        Esta identificação com o nome e com a forma (corpo) leva as pessoas a

imaginarem que a sua existência enquanto um ser atuante é algo fixo, rígido e que precisa ser defendida a qualquer custo. Então, elas partem em busca de algo maior, esperando que, um dia, esta entidade fictícia possa dar à luz a uma nova maneira de viver. Então, começam a pensar em “evoluir”. Mas evoluir para onde? Elas esperam receber um tipo qualquer de iluminação que possa modificá-las, torná-las melhores ou mais atraentes? 

                        Enquanto estivermos dormindo como consciências encarnadas e não despertarmos para o Divino que somos, jamais seremos capazes de destruir toda e qualquer ilusão a respeito de uma identidade rígida e sólida atuando no mundo como algo ou alguém.                                                                

Destruir uma identidade que acredita firmemente em sua própria realidade e que através de um longo processo de busca irá, em algum momento, compreender a verdade subjacente ao seu próprio ser. Ora, isso não passa de um tremendo engano! Aquilo que não existe jamais chegará a lugar algum. Não precisamos percorrer longos caminhos de busca, pois já somos todos UNO. O poder Criador está em nós. Criamos o movimento para tentarmos refletir o que já somos e sempre seremos. A própria força Criadora, onipresente, onisciente e onipotente.
O verdadeiro caminho consiste na realização de que você é o próprio Universo olhando para si mesmo. Então, observador e observado desaparecem. Tudo o que resta é pura observação, pura consciência. É só o despertar que prevalece.

É preciso que você sinta de uma forma não intelectual que o “eu” não existe em você e que apenas a vida que percorre o seu corpo, que alimenta sua mente, contém o sabor da imortalidade, da própria Divindade. Você é a vida! Assim, sinta o poder da vida, da energia que o ampara e sustenta, percorrendo seu corpo, atravessando o Universo, presente em cada partícula, em cada átomo, em cada grão de areia como sendo você mesmo.
Compreender que o "eu" não passa de um fluxo e permitir que este mesmo "eu” se derrame no Infinito, se perca para sempre no fluxo da existência poderá levá-lo ao único lugar que existe, o aqui e o agora. Não há evolução, apenas o despertar.
Assim como não há iluminação alguma a ser obtida. Você já é a própria Luz. Desperte-a! Não há nada a ser alcançado. Principalmente, não há mais ninguém em busca de pequenas mudanças aqui ou ali, mudanças que possam torná-lo mais respeitável ou aceito. Este é o verdadeiro despertar, algo que já ocorreu mas que ainda não foi realizado porque você ainda persiste em manter a sua identidade atual. O "eu" é como um véu. Ele obscurece a sua visão, o seu entendimento.

Colocando de uma outra forma, o "eu" é apenas a idéia que você carrega a respeito de si mesmo. Abandone esta idéia!
Permaneça como um simples observador. Lentamente, você verá que este observador não possui nenhum nome, nenhuma forma. Então, quem é você afinal? Você é o próprio Universo, a mais pura bem-aventurança de um processo interminável e insondável. Você é a própria existência se derramando num corpo, através de um nome e em uma forma. Esqueça tudo e realize, neste exato instante, a sua grandeza. Acima de tudo, saiba que você, enquanto "eu" ou "alguém" não existe! Apenas a vida é. Através de você o universo realiza o seu maior sonho. Através de você o Universo se torna consciente de si mesmo. Evolução é isso...despertar a Luz em você! Existe algum milagre maior do que este?


Liliane Moura Martins


Segredos da Alma


Dizem os astrólogos que a passagem da era de peixes (que é a era do sentimento, do amor) para a era de aquário (que é a era do intelecto, da razão, do conhecimento) está presente em nós. Percebo a humanidade racional demais ou sentimentalistas demais. Sempre aprendi que o equilíbrio é a força motora de nossa evolução, ou seja, tentar tomar atitudes coerentes com o que você pensa e o que você sente. Se houver uma sintonia entre si, suas ações certamente serão harmoniosas. Mas as pessoas andam em desequilíbrio sempre exagerando em suas emoções. Acredito que falta a consciência de si mesmos.
Tomar consciência de seus atos é buscar conhecer sua essência real e sair da ilusão. É desvendar os segredos que sua Alma carrega em si que são únicos e diferentes de qualquer outro ser. É perder o medo de descobrir potenciais latentes, criar habilidades para o novo e de se fazer presente. Estar consciente é reconhecermos manifestações em nosso comportamento, é nos conhecermos de verdade. Não estar lúcido, é estar sem luz, é um estado em que a ilusão domina. Nascemos com um livre arbítrio para escolhermos caminhos. Assim como podemos escolher caminhos, podemos também escolher o que pensar para que gere um sentimento de paz dentro de nós.  A opção nos é dada: ou entramos de cabeça no sentimentalismo ou tentamos ordenar nossas emoções para que sejam transformadas em sentimento. Temos a liberdade de interpretar o que nos acontece da maneira que quisermos. Uns usam o discernimento outros usam o sentimentalismo. Esses são dominados pela ilusão.
E por que a ilusão nos domina? Por que trabalhamos com a nossa imaginação, com o que “supomos” e não com o que “sentimos”. Podemos pensar o que quisermos, criar, elaborar...mas sentir, é a sensação real da presença da nossa essência, do Divino em nós. Vivemos da interpretação de nossas idéias e às vezes nossa percepção capta de maneira destorcida a verdadeira realidade. Acreditamos e nos desiludimos. Deste estado de ilusão vem que o pensar se sobrepõe ao sentir. Carregamos uma sensação de frustração, de inexistência e de vazio interior. Nesse momento perdemos o contato com o nosso EU real. Perdemos a motivação, a ligação com o nosso centro perdendo o mais importante: a posse de nós mesmos. E assim, vivemos em função dos outros apenas e nos esquecemos que temos potenciais divinos para contribuir com a existência da humanidade.
Ficamos com medo de sermos e de nos descobrirmos, em função de o que os outros vão pensar à respeito de nós. Nos tornamos pessoas orgulhosas. E o orgulho é uma ilusão que sempre acaba em desilusão. Desilusão é a chegada da verdade. E nem sempre suportamos o que é real. Mas não é a realidade que machuca, e sim, descobrirmos que vivemos numa mentira até então, pois queremos parecer ser o que não somos para os outros. Não somos, mas representamos que somos. Nos tornamos medrosos, cheios de defesas, de proteção e não vivemos intensamente. Gastamos uma carga energética enorme pensando que estamos nos protegendo, quando na realidade estamos protegendo o nosso orgulho. E é por orgulho que nos tornamos inseguros, tímidos, impotentes e vítimas. E o pior é que sentimos a diferença entre um aplauso sincero e o que é superficial, entre uma qualidade reconhecida e uma personalidade inflada.
Quando queremos parecer ser o que não somos, nossa expressão e presença fica reprimida, sufocada, aprisionada, retida. Ficamos sem talento, sem criatividade, sem fluxo. Tiramos nossa oportunidade de crescimento, de experiências, por que temos medo de que a verdade apareça. Nos prendemos, nos seguramos, por não querer ser ridículo, e assim corrompemos a nossa essência divina colocando um fim nos nossos valores pessoais. Perdemos a nós mesmos para ganhar os outros e no fim ficamos vazios apagando a nossa Luz.
Em nome da vaidade e do orgulho perdemos alegria e a naturalidade que nos leva ao aprendizado e perdemos o “sentir”, a amorosidade, o encantamento com as formas simples, perdemos o contato com a natureza em nós, com o nosso coração. No coração está o sentido da vida. Nele reside o plano Divino para nossa existência. Só com pureza de sentimento teremos acesso à ele. Pureza de sentimento é entrar num espaço interior chamado humildade. É nesse espaço que praticamos a Presença Divina em nós. É pela modéstia que entramos em nosso interior nos reconhecendo como somos realmente e nos aceitando com nossas capacidades e riquezas. Assim nos libertamos do medo de apenas sermos e atuarmos no presente. É nesse espaço interno que podemos dominar as emoções sem nos deixar dominar por elas. É ai que reside um estímulo à consciência, um poder criativo e lúcido, para ficarmos coerentes com a própria verdade e com a nossa evolução presente. Pois, para que serve a nossa essência  se ela não é presente? Se temos uma, se somos dotados de uma consciência, se realmente somos indivíduos únicos, então por que não a expressamos? Você consegue entender a razão de se ter uma essência, uma consciência se ela não pode expressar um aspecto do espírito único?
Um desses aspectos é a intuição. Mas só a captamos se formos humildes na nossa essência. A intuição só se torna clara quando a nossa ligação com a verdadeira voz interior é real. A humildade de escutarmos e acreditarmos no que sentimos no nosso mais profundo ser nos faz reconhecer a verdade de nós mesmos fazendo-nos seres melhores, pois a própria vida espera a nossa própria atuação, expressão única de cada um. Enriquecemos o Universo com a nossa participação e a manifestação da nossa essência divina nos tornando o próprio Poder Criador.
Dominando nossas emoções, firmando nossas atitudes, coração e mente trabalhando em sintonia, torna a vida uma experiência rica onde cada um realiza seu papel aprendendo e buscando significados próprios sem medos. Portanto, conheça, experiencie, aprenda e ame a vida, por que você faz parte dela e com certeza fará diferença!

Liliane Moura Martins

Olhar de uma criança...



Hoje eu li uma frase:
“Há dois tipos de amor, o nosso amor e o amor de Deus. Mas o amor de Deus junta os dois.”

Melhor ainda foi saber que quem falou essas palavras foi uma criança de apenas 4 anos de idade.
Como  é puro o amor que habita uma criança! Como poderíamos abrigar por tempo indeterminado essa criança em nós! Por quê não fazemos isso? Por quê temos que provar que somos “adultos o suficiente” para isso ou para aquilo, nos negócios, na família, na amizade, no amor...será que para vivermos, o suficiente é sermos adultos ou o suficiente seria mantermos a pureza de sentimentos em nossos corações?
Quando acreditamos em nós, como um ser Divino manifestado em forma de humano, sabemos que se deixarmos a sabedoria e o amor Divino preencher nossas almas para ao contato com as pessoas, com a natureza, com o ambiente, poderemos oferecer uma amostra dessa riqueza  e tudo se transformará diante de nós.
O que era sombrio, será luminoso, o que era incompreensível, será compreendido, o que era duvidoso, será certeiro, o que era desgosto, será alegria...mudanças ocorrem quando deixamos o amor Divino e a sabedoria Divina se manifestarem através de nós para nos relacionarmos com a vida! Sempre que levantarmos, logo cedo, agradeça esse poder Divino em nós e peça que ele seja exalado ao mundo durante o dia inteiro no contato com as pessoas. Peça que a sua Alma converse com as Almas das outras pessoas para que cada encontro, seja realizado com um “toque espiritual”.  O amor de Deus sempre unirá dois corações que transbordem alegria de uma criança, a inocência do amor, a pureza dos sentimentos. O brilho dos olhos de quem ama com o coração de uma criança, sabe que a troca será instantânea e eterna, porque quando um coração fala ao outro coração...quando o brilho de uma olhar se mistura com o brilho do outro, nada mais precisa ser dito...apenas deixar o Divino que habita seu coração saudar o Divino que habita o outro coração...e o amor? Ele simplesmente acontece...
Liliane Moura Martins

Quem somos?


As perguntas mais feitas quando o ser humano chega num certo momento de sua evolução são: Quem somos? De onde viemos? Para onde vamos?
Depois de um determinado nível de compreensão de si mesmo e ao mesmo tempo sentindo uma forte sensação de insatisfação mudam-se as perguntas: Por quê existimos? Para que tudo isso? Por quê temos que sofrer? Por quê temos que amar? O que devemos alcançar? Do que somos feitos? Quem É e O Que É Deus? Acho que esse momento acontece com todos que sentem alguma insatisfação em seus corações.
E em seguida perguntamos: Somos extensões Desse Poder Criador estando Ele por detrás de todo o jogo? Sendo assim deveríamos ser perfeitos ou imperfeitos por faltar uma parte Dele? Ou somos o Próprio Poder Criador em evolução e em desenvolvimento sem Nada por detrás? Nesse caso, estaríamos em crescimento evolutivo? Ou seja, tentando alcançar a perfeição que um dia talvez tivesse existido antes de nos fracionarmos como Deus em Almas livres com poderes de escolhas e decisões?
Devem existir muitas outras perguntas e dúvidas no âmago de nossas essências. Acho que é nesse instante que começamos a busca infinita de nos auto conhecer. E se todos tivessem as respostas, não teria o porquê de estarmos aqui, porém, muitas pessoas se perguntam isso e se questionam. São seres humanos que se percebem mais como espíritos do que outros que ainda caminham em suas estradas. Para os que buscam, aos poucos as respostas se manifestam em seus corações e em suas mentes ordenadas. Sinto que Tudo em um momento era um Todo...Onipresente, que está em toda parte, Onisciente, que conhece tudo e Onipotente, que tem o poder sobre tudo...
Quando tudo era ordem, essa Energia (Deus) resolveu se manifestar como frações extendidas Dela Própria cada qual com o livre arbítrio, com o poder de escolher sua verdade, a busca de si mesmo através de caminhos mais longos, outros mais curtos...
Se isso é verdade, no momento em que nossas Almas sentem a separação perdem a presença de um Todo e aí se dá a sensação da insatisfação que é o motivo gerador da motivação de buscar sua integridade.
Almas gêmeas? São somente espíritos que estão por afinidade no mesmo grau de evolução, de busca e conhecimento de si mesmo que ao se encontrarem percebem mais uma parte que se agrega à sua integridade. Quanto mais almas se encontram e se percebem, mais completas se tornam suas essências.
A insatisfação nasce da sensação do vazio que restou quando houve a separação do Todo. E é essa insatisfação que nos faz buscar algo que à princípio nem sabemos o que é realmente...Vagamos por milhares de anos tentando suprir e nos satisfazer...até compreendermos o porquê de sentirmos a insatisfação mesmo quando temos tudo e todos ao nosso redor.
Buscamos nos perceber-nos outros para sentirmos íntegros e nem percebemos que fazemos isso...Sendo que só conseguimos existir como mais íntegros quando sentimos a presença de uma pessoa com as mesmas buscas, as mesmas insatisfações...
É isso que nos motiva à viver e estar sempre buscando evoluir para chegarmos novamente ao Todo ou Deus. A oportunidade de trocas é fundamental no processo de evolução dos seres humano, pois o que nos encerra como seres racionais, é a capacidade de sentir.
Dúvidas e incertezas, insatisfações e sofrimentos só desvendamos com a capacidade de sentir. O primeiro ato em si foi sentir. Sentir o desejo de saber. Amar e conhecer. Sentir a motivação de se realizar pleno e perfeito. Ter a consciência de ser. Reconhecer sua existência como uma força luminosa e potente.
Descobrir-se capaz de realizar tudo e quanto mais nos realizamos e nos descobrimos não importa em que setor de nossas vidas, sentimental, afetiva, saúde, trabalho, mais chegamos perto da satisfação de um dia voltarmos a ser o Todo, o Realizado. Portanto, quando encontramos situações e oportunidades que nos fazem suprir a carência da integridade, nos realizamos plenamente nos preenchendo cada vez mais.
Quando deixamos de estar latentes para estarmos potentes, experienciamos o prazer da satisfação. E quando fazemos contato com pessoas com os mesmos valores sentimos automaticamente a vontade de agregar seus sentimentos aos nossos nos sentindo uno. Quanto maior os valores agregados, maior o sentimento que uni. Quanto maior a integridade maior reconhecimento de um sentimento pleno e satisfeito. Eu realmente acredito que isso seja o Amor de verdade que tanto nossas almas anseiam por viver!


Liliane Moura Martins 

A compaixão nos fortalece!


Quando somos sensíveis aos problemas dos outros, com compaixão nos fortalecemos.
Quantas vezes nos pegamos diante de pessoas em situações difíceis e por vivermos tão alienados ao verdadeiro sentimento de amor, nos afastamos com medo de atrairmos para nós a mesma energia negativa que paira no outro? Esquecemos que bem lá no fundo mora uma luz que clareia tudo e à todos apenas se olharmos com amor e compaixão. Automaticamente estaremos ajudando e quando ajudamos com amor e compreensão, o retorno só pode ser Divino eliminando qualquer emoção negativa que poderia vir junto. Ela simplesmente se dissipa e transmuta. Somos sensíveis por natureza, e de alguma forma, os movimentos de sensibilidade sempre existirão e tudo nos afetará de alguma forma, portanto, devemos mudar o foco quando nos relacionamos para que alcancemos uma satisfação verdadeira. Mas o que torna uma pessoa mais ou menos sensível aos problemas e situações alheias? Nossa sensibilidade em relação aos demais aumenta na mesma proporção do esforço que fazemos para enxergar e satisfazer suas necessidades. Esse esforço pelo bem dos outros facilita e gera um vínculo afetivo. Um vínculo de Amor. E sabemos que o único caminho que transforma é o amor. Podemos passar conhecimento, referências de comportamentos, exemplos de condutas e posturas inteligentes diante da situação do outro, mas infalivelmente o amor é sábio. Muitas vezes não precisamos aconselhar com palavras...basta escutarmos o desabafo e ao mesmo tempo transmitirmos uma onda de energia amorosa em direção a quem nos fala sem que ela perceba com seus sentidos físicos. Mas desencadeará uma percepção quintessencial interna de que algo a transformou deixando-a mais calma, mais lúcida para compreender por si só o desfecho de sua situação. Do amor viemos, de amor somos feito, com amor vivemos! Aprendamos a nos enxergar no outro que assim saberemos o ponto certo para a tarnsmutação.
Liliane Moura Martins

Por que deixamos duvidas, se podemos demonstrar exatamente o que sentimos...


Por que deixamos duvidas, se podemos demonstrar exatamente o que sentimos...

Quando estamos em desacordo com as palavras, chegamos à estrada sem saída, que nada mais é que a dúvida.
A dúvida surge quando mentimos para nós mesmos. E quando mentimos, estamos com medo. Todo desconforto nasce de um equivoco.  A verdade é sempre agradável. Pensamentos verdadeiros são pensamentos felizes. Se você vive um conflito, é porque está na ilusão. Quantas vezes nos deparamos diante de um impasse, principalmente em relacionamentos, que nos leva sempre a querer tomar decisões baseadas no controle que acreditamos ter, para que nos sintamos na tão familiar zona de conforto...
Se estamos felizes, ficamos na dúvida se isso é felicidade. Se estamos desconfortados, achamos que o destino quis assim, que de alguma forma, isso está em nossas vidas para aprendermos algo. Mas e com a felicidade? Temos que aprender algo com ela? Não podemos simplesmente senti-la e vivê-la? Não temos que aprender a sermos felizes. Somos felizes, apenas não lembramos disso.
Buscamos desesperadamente a verdade em todos os lugares possíveis sem termos a coragem de ficarmos quietos e a escutarmos dentro de nós. A verdade está exatamente onde você está. A verdadeira visão surge quando já não se vê. Apenas sente. Quando sente a verdade, a dúvida desaparece. Esquecemos que muitas vezes a resposta está na própria pergunta. Ter coragem de ver que você já sabe a resposta é duro quando ainda estamos buscando a consolação e não a sabedoria do conhecimento colocado em prática.
A vida é fruto de um ato de amor. Amor reconhecido em você mesmo. Pleno, íntegro, puro e simples. E o grande lance é continuarmos praticando esse reconhecimento nos outros. Vá além das palavras...um gesto natural, vale mais que mil palavras...O fruto sempre será a vida! O amor é a própria vida!
A vida então é perfeita quando se é amor e a perfeição é o melhor que você pode fazer naturalmente. Sua natureza sendo perfeita, se tiver que ir, vá...se tiver que parar, pare...mas não vacile...não fique na dúvida para não vivenciar conflitos. Decida, seja a perfeição, seja o amor e siga. O que é mutável e inconstante, desaparece...não é real porque não é verdade. Siga sempre a verdade, que é o que te traz paz!
Muita Luz!
Liliane Moura Martins

O que é a verdade?


O que é a verdade?
Se você busca conhecer a verdade sobre Deus, a verdade sobre a vida, a verdade sobre você querendo se instruir, conhecer, aprender ou saber, sempre estará preso ao vazio, pois “a verdade” não é conhecimento, não são instruções, não são regras. Você pode querer vê-la na beleza da terra, do sol, de uma montanha, das ondas do mar ou no perfume das flores. Você pode querer buscá-la na meditação, fazendo sacrifícios, virtudes e devoção.  Você nunca chegará a ela porque a sua motivação está equivocada.  Você quer encontrá-la, não no viver, mas em algum outro lugar.
Se você não estabelecer um relacionamento correto com o outro, o que significa sentir o amor, você não conseguirá nem ao menos ser compassivo, generoso, compartilhando com outro o pouco que você tem e estabelecendo essa maravilhosa ordem da chamada vida no seu cotidiano.
Como amar a verdade sem amar o outro ao seu lado? A verdade não é para ser encontrada em livros, em imagens, em templos. É para ser encontrada na ação, no viver. A real busca pelo desconhecido é o próprio amor, e você não pode buscar pelo irreconhecível fora do relacionamento. Você não pode procurar a realidade em isolamento. A verdade surge somente no encontro entre corações, apenas quando há relacionamento correto entre os seres humanos. Portanto, o amor do homem é a busca da realidade. A troca de um olhar singelo, um toque suave das mãos, um abraço espontâneo amistoso, te levam a expandir o amor de dentro pra fora. A verdade é o amor. A verdade está em cada respiração, em cada lágrima, em cada suspiro, em cada emanação positiva com o outro, e é para ser conhecida de momento a momento. Percebendo a cada instante o desenrolar dos movimentos, dos efeitos energéticos, da expansão do sentimento, não sentindo a ida e a volta do mesmo, mas na conexão, na sintonia, sentindo a presença maior desse amor sendo Uno. Quando se é desperto para o amor, ele simplesmente “é” e “está” em todo lugar, envolvendo a todos nessa troca infinita, sem caminhos e condicionamentos. O amor é apenas e simplesmente o “caminhar”... Lado a lado nessa experiência que chamamos de “vida”!
Liliane Moura Martins


A busca da Luz!


Muitas pessoas dizem que buscam a LUZ!
Mas o que é buscar a luz realmente?
Procuramos cursos, palestras, vídeos pulando de livros em livros e não percebemos os valores que se encontram em entrelinhas, não praticando o estudado e nem experienciando no dia a dia. Sim, as pessoas passeiam, vagueiam em cima de parábolas e nem ao menos tocam sutilmente naquilo que poderiam ajudá-las.  A sede do conhecimento e da verdade nos fazem mais cegos ainda. Não observamos que o nosso ego nos motiva a isso não por querermos a liberdade de ser, mas por querermos sentir realizados com a busca, que por algum instante, achamos e acreditamos cessar.  Buscamos tanto e nos esquecemos de servir ao um propósito maior de existência. Quantos de nós, ao colocar a cabeça no travesseiro, podem recordar de naquele específico dia terem servido para algo além de nós mesmos? Uma palavra amiga, um gesto de carinho com alguém que estivesse precisando naquele momento, um olhar amoroso, uma prece direcionada, ou um segundo de gratidão pela vida...
Não estou dizendo que não precisamos nos esclarecer com riquezas e pérolas espirituais. Mas as novas tendências do modismo espiritualista acaba nos sufocando com tantos conceitos, artimanhas e regras banais que, por falta de clareza mental acabamos nos envolvendo com novos padrões que fogem à nossa realidade. A realidade do espírito. Da vida. Somos gratos por      grandes sábios deixarem a verdade no ar, e ela está aí, para qualquer um acessa-la, basta querer alcança-la e os benefícios do alto virão em direção à sua vida. Discernimento é bom quando buscamos, mas humildade é fundamental para abrir as correntes do mundo Divino. Praticando o discernimento, deixamos o nosso intelecto aguçado para o senso do bem, ou seja, o bom senso que tentamos praticar. Mas deixando a humildade aflorar, desenvolvemos o nosso coração. A humildade já faz parte de nós, pois quando reconhecemos o amor em momentos sutis, já nos enxergamos humildes. Pois só quem é humilde ama. Enquanto o ego prevalecer, o amor que já existe em nós se nubla.
Os cuidados são poucos quando mediante ao “modismo espiritual”, nos integramos aos novos paradigmas de grupos que se dizem “buscadores da verdade” nua e crua. Não nos “tocamos” que na realidade estamos substituindo uma crença por outra. Ora, a VERDADE nua e crua existencial, não está por aí na boca de doutrinadores e professores que não reconhecem o fanatismo da busca pela verdade que se alojou em suas mentes.  A responsabilidade cresce à medida que avançam na identidade do outro. Porém, não percebem que estão, através de suas crenças manipuladoras, criando novos seres dependentes da ilusão do próprio ego. E com isso, acabam por cegar mais do que elucidar a humanidade, sendo que, prevalecer o amor e a sabedoria deixada por grandes mestres, deveria ser o foco de luz em nossas caminhadas por essa vida. Onde, desde os primórdios, o único ensinamento que nos toca a Alma, é viver a vida amando, pois o amor te traz compreensão, não julgamento, doação, bem estar, clareza, elucidação, despertamento consciencial. Não podemos nos esquecer de que devido à roda reencarnatória, nos tornamos seres cheios de complexidade vivenciais com surpresas temperamentais onde o único desfecho para a existência, é amar. Portanto, o que nos resta diante de tantos contextos duvidosos, irreais, ilusórios e manipuladores? Amar... Simplesmente ame... Que a resposta chega a seu coração! Muita Paz e muita Luz!
Liliane Moura Martins

O que é o desejo então?


Estamos acostumados a sermos escravos de desejos. Mas o que é realmente o desejo?
Ele é negativo ou positivo? Sentimos sua chama queimar em nosso íntimo a cada pensamento, a cada sentimento e a cada atitude. E assim, vamos vivendo e desejando como força propulsora que nos motiva irmos além da realização.
Quando desejamos, paramos para analisar o desejo? Sondamos a sua natureza? Se realmente quisermos saber a origem do desejo em nós, teremos que nos encararmos diante do espelho. E nessa hora, muitos fogem de si mesmos porque deparamos com as imagens que o nosso pensamento constrói. E por que deixamos o nosso pensamento construí-los? Simples. Porque o desejo é o resultado de sensações. Sensações que essas imagens nos preenche quando pensadas por nós. Parece estranho e complicado, mas somente porque não paramos para ver a complexidade do desejo e sua natureza. Se descobrirmos o seu propósito compreenderemos nossas carências. Não devemos nem eliminá-lo e nem discipliná-lo, mas sim, tentar perceber onde se origina. Não ter medo de mergulhar profundamente na sua natureza. Quando observamos algo, esse mesmo algo se mostra como ele é. Mas temos que observar sem pretensões.  Sem deixar o pensamento construir sensações, prazeres ou dores. Analisando dessa forma, você passa a compreender a causa e raiz do desejo. É nesse instante que você começa o seu autoconhecimento, o verdadeiro descobrimento de si mesmo. Descobre o porquê de deixar seu pensamento construir imagens e as sensações que elas causam. E descobrindo a causa, fica mais fácil estar atento sempre que isso ocorrer. Despertamos assim, a nossa pura percepção e perspicácia utilizando de nossa verdadeira inteligência, para aprendermos que carências são ilusões. Ilusões que criamos para acumularmos um falso prazer de nos sentirmos íntegros, sendo que, para haver integração, deve haver antes a expansão do que você já é. E o que você já é, é exatamente o que deseja pra si. Quando perceber que não está fragmentado no Universo, sentirá uma comunicação direta com o imensurável e princípio de tudo! Perceberá que todas as nossas exigências nascem do nosso cérebro limitado. Portanto, comece já a despertar a sua Alma que é ilimitada. Desprenda-se das armadilhas que a vida nos impõe através de atividades egocêntricas para deixar fluir o espaço vazio que será preenchido somente por você mesmo. E quando sentir-se íntegro, perceberá no outro a mesma integridade. E o desejo desaparecerá instantaneamente. E poderemos participar de um momento sublime que flui, assim como o encontro de águas tranquilas num rio perene e constante. Desperte sua Alma, desperte sua essência! É o despertar da consciência que cria a igualdade Una e Própria do Criador!
Liliane Moura Martins

Amor puro.


Sempre que eu me pego pensando em pessoas que passaram por minha vida e que hoje não se encontram ao meu lado, me lembro da frase de Madre Teresa de Calcutá: “Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz.”
Quantos amigos, amigas, namorados, namoradas, colegas de trabalho e família em geral trocamos certa energia que nos levou a nos relacionarmos com alguma parte de cada um que sintonizasse uma carência em comum?
Quando digo carência, me refiro a alguma sensação que precisamos sentir. Ela pode ser tanto emocional, mental, energética ou física. Ou todas ao mesmo tempo.
Quando é emocional, geralmente necessitamos sentir emoções que nos satisfazem, como por exemplo, pessoas com baixa estima que passam a gostar do ciúmes, da posse, do poder na relação. Elas precisam se sentir amadas, mas confundem amor com ciúmes e domínio.
A carência quando é mental, ou psicológica, nos leva para o lado da razão e não do emocional. Apaixonamos-nos por pessoas inteligentes, sábias, com grande busca pelo conhecimento que nos fazem confundir amor com admiração. Admiramos e pensamos que amamos. Ficamos tão cegos que nem percebemos que em muitas vezes estamos atuando na vida como cópias perdendo nossa identidade. Outra maneira de nos relacionarmos através do mental, é quando não temos posse de nossas vidas, delegando ao outro as rédeas do caminho que deveríamos percorrer. Deixamos que nossa mente seja controlada absorvendo nossas ideias, nosso raciocínio a ponto de perdermos a lógica, a razão, o bom senso e o discernimento.
Ao ligarmos-nos pela carência energética, a relação se torna dependente criando um círculo vicioso que quando nos damos conta, parece tarde nos reconectarmos com o nosso íntimo. Mesmo sabendo, nos sentimos presas ao relacionamento, muitas vezes pensamos até que não sobreviveríamos se tivéssemos que nos afastar do outro. Geralmente, algo nos diz internamente que não estamos no caminho certo, mas não conseguimos ficar longe, a presença física se torna indispensável, mesmo que seja dolorida, com carências e sem amor. Nesse âmbito entra também o sexo, que sabemos que é pura energia através do toque físico. Podemos não sentir conexão mental ou emocional com a pessoa, porém, energeticamente, ou sexualmente, há liga, mesmo que por poucos momentos. Prendemos-nos baseado somente no sexo, sem uma relação profunda.
Hoje, se tornou normal as pessoas se relacionarem dessa forma, esquecendo totalmente o propósito de uma ligação. A completude que deveríamos nos lembrar quando sentimos cada vez que admiramos um pôr do sol, o olhar ingênuo de uma criança, o reflexo da lua cheia sobre o mar, um carinho do seu bichinho de estimação, todos esses momentos deveriam se tornar presentes a cada encontro na vida. O yogues antigos já diziam que a Divindade está dentro de cada ser e que quando todos se encontram, essa Divindade que habita o coração de um saúda a Divindade que habita o coração do outro. Eles achavam que se o universo inteiro residisse em você, em seu coração, esse ser era para ser honrado por ser puro amor. Se o coração era preenchido pela verdade única, pela paz, e pela luz, era um coração amoroso. E se a pessoa, mediante suas provações se lembrasse desse lugar em seu íntimo e meditasse nele diariamente, ela se conectaria com o Divino e sentiria o amor em tudo e em todos. E se outra pessoa quando ao olhar para ela sentisse o mesmo, se tornariam uma só Divindade. Isso é o relacionar-se através do amor. Esse é o único e verdadeiro relacionamento. Sem vícios, sem dependências, carências e posses. Surge aí a complementaridade, onde ambos somam o amor e doam ao universo de tão plenos que estão. Isso me leva a refletir nas pessoas que já passaram em minha vida. Tenho certeza que você também. Devemos dar o nosso melhor em cada passagem, em cada coração, não importando o tempo que dure. Dessa forma teremos a certeza de que fomos “presentes” em suas vidas, fazendo-as sentirem-se pessoas melhores e mais amorosas.
Deixo aqui, um exercício simples de energia que você pode fazer diariamente quando estiver sozinho em seu quarto antes de dormir ou ao acordar.
Feche os olhos, respire fundo três vezes e relaxe. Visualize uma esfera na cor rosa claro luminosa em seu peito. Mentalize a palavra AMOR PURO em sua testa. Fixe sua mente na palavra e na esfera rosa ao mesmo tempo pulsando no meio de seu peito. Fique assim por alguns minutos. Esse exercício é muito bom para desbloqueios energéticos emocionais que prejudicam o coração e a relação com as pessoas.  Se sentir vontade de levantar suas mãos e irradiar energia por elas, fique à vontade e aproveite para emanar essa luz de amor às pessoas queridas e a toda a humanidade. Muita paz e muita luz em seu coração. Namastê!
 “Eu honro o lugar em você em que o universo inteiro reside. Eu honro o lugar em você, em que é de Amor, da Verdade, da Luz e da Paz. Quando você está nesse lugar em você e eu estou nesse lugar em mim, nós somos UM! Namaste!”
Liliane Moura Martins

Não se deve mudar de opinião se não se pode mudar de conduta.


Quantas vezes nos pegamos vestindo palavras ao vento sem ao menos refletirmos sobre o real significado para nós. Estamos sempre procurando por conselhos, mas nem sempre eles nos são úteis, pois não estão em nosso coração. Não escutamos o som que toca nele, apenas o burbúrio externo a nós. Mudamos de conduta quando incorporamos o que funciona para cada um de nós. Às vezes escutamos palavras sábias, mas nem sempre as sentimos como verdade, e aí vem a dificuldade de mudarmos de postura. Paramos de aceitar situações em nossas vidas, mas não adquirimos controle e disciplina para agirmos diferente do que passamos a pensar.

Isso ocorre porque nossas mentes são iguais a carroças vazias que se tornam barulhentas. Observem uma carroça cheia. Ao se movimentar, não há ruídos. Ao preenchermos nossos corações e mentes com autoconhecimento, sabedoria e amor, estaremos completos. E assim, nossas atitudes serão verdadeiras, naturais e contínuas, porque estaremos agindo equilibrados com o que pensamos e sentimos. Do que adianta pensarmos algo e agirmos diferente do que pensamos? Do que adianta agirmos de tal forma se não sentimos desta forma? Se não existir a igualdade entre o sentir, o pensar e o agir jamais conquistaremos a unidade em nós e estaremos sempre mudando de opinião, de atitudes à cada barulho externo perdendo a verdadeira serenidade do amor que nos faz viver.

Sim, amor. Pensar, sentir e agir sempre no amor. A cada momento, se perguntar: o que o amor faria agora? O resultado só será benéfico.
Quando damos margem a sentir o amor em momentos difíceis, sentimos a presença de algo maior do que nós nos envolvendo. Para os mais sensíveis, sentimos como uma energia de luz sendo irradiada desde o topo da cabeça até nossos pés. E sabemos em nosso coração o que devemos fazer. A pergunta é: o que te sustenta, dentro de si, quando tudo o mais desmorona em sua volta? Você consegue ficar só em alguns momentos consigo mesmo? Gosta de sua companhia? É amoroso com você mesmo nas horas de preocupação, ansiedade, depressão ou solidão?

Enquanto você não preencher o espaço vazio que sente em sua Alma não se libertará das distrações do mundo para se autoconhecer. E esse espaço só pode ser pleno de você mesmo e de mais ninguém. A Divindade em você já é tudo! Desperte-a! Você é grande! Magnânimo! Nunca está só em sua caminhada. Há pessoas amigas em sua volta o tempo todo que te guiam e te emanam amor. Portanto, saia dessa estagnação energética, levante seus olhos e sinta a presença divina atuando em sua vida. Cultive o sorriso, a alegria, o brilho nos olhos, a caridade, a bondade, a palavra amiga... Para isso você não precisa de dinheiro, basta querer ser e fazer, que essas virtudes são a tua própria riqueza espiritual. Olhe para você, sinta-o pleno, absorva a luz em seu coração e irradie-a a todos que passarem por sua vida! Isso é viver!
Paz e Luz!
Liliane Moura Martins

O amor que gera tudo.


Como não sentir o amor maior que gera tudo? Como se esquecer de momentos sublimes que interpenetram seu coração em meio à turbulência da vida? Há uma força, uma atração que nos arremessa em direção ao espaço vazio de nossas mentes. Espaço esse, que não há pensamentos, dúvidas, afirmações e negações. Quando se está no silêncio da Alma, está em estado de consciência pura. E nesse instante, sua mente se conecta com seu coração. E você sente a verdade. E essa verdade é a serenidade diante do amor que sentimos quando estamos no estado de integridade e completude.
Olhar seu parceiro (a) com o coração e não com os olhos...compreender seu filho(a) com um sorriso e não com palavras...abraçar seus pais, irmãos, amigos(as) com sua Alma e não com seus braços...e apenas rir...rir de tudo o que te envolve, porque rir é a melhor terapia de vida!
Ria de seus tropeços, ria dos seus “micos”, ria do seu mau humor, de seu pavio curto, de sua timidez, de sua insegurança e ria principalmente de sua tristeza!
Ao mesmo tempo, chore...chore de alegria, chore de tanto rir!
Todo tem seus percalços, mas que não podem te impedir de seguir em frente mudando seu padrão de energia. Na senda da vida caminhe com discernimento e propósitos lúcidos. Carregue o senso do bem em seu coração que assim não haverá erros. Faça da modéstia e humildade a sua força interior sempre ponderando e equilibrando suas escolhas. Cultive o silêncio em algum momento de seu dia, para que, meditando possa clarear suas ideias e acalmar as emoções.
Que seu coração não seja pressionado pela ilusão do mundo e nem sua mente aprisionada às crenças consoladoras. Que consigas sempre buscar o Divino em si livremente, independente de Religiões, pois o Poder Criador que reside em você é maior do que qualquer dogma a seguir.
Há um tesouro guardado em seu coração. A senda real é resgatar o brilho, a luz e o amor que contem essa joia. A suprema joia que te guiará eternamente emancipando sua Alma em direção ao Todo que conhece tudo!
No cair da noite, ao se deitar desprenda-se de seu corpo físico, pense em flutuar além dele e sinta a alegria da liberdade num voo magnífico e radiante...existem olhos brilhantes que te vigiam com um puro amor, paciência e compreensão de cada passo que dás. Esses mesmos olhos te guiam através de seu tesouro rumo a outros universos te orientando e te ensinando como trilhar a vida com maior sabedoria. Ao retornar sentirá tanto seu corpo físico, como seus corpos sutis preenchidos pela luz do discernimento, da fraternidade, da igualdade e do amor que sabe tudo!
E assim, o seu dia será experienciado com mais clareza mental e lucidez. Sentirá que seu coração porta um amor incondicional. E preenchido poderá emanar esse sentimento a todos que atrairá em seu caminho.
Muita paz e luz em seu coração!
Liliane Moura Martins

Experiências sutis x experiências densas


Acho importante esclarecer diferenças e igualdades entre você experienciar momentos de êxtase e momentos depressivos ou negativos.
A pessoa que está acostumada a meditar constantemente, ou fazer algum trabalho de bioenergia, como trabalhar a luz em seus chakras*ou simplesmente escutar uma boa música, com os olhos fechados e sentindo uma energia boa envolver sua aura, muitas vezes não consegue voltar para o dia a dia diante de tanta beleza que o êxtase lhe traz. Não se vê “aterrado”, ancorado ao Planeta, se sentindo como se não fizesse parte desse mundo, que diz estar cheio de maldade, negatividade e ignorância. Perde o interesse pela vida mundana, esquecendo do verdadeiro propósito da busca da união com Algo maior que si mesmo. Perde o contato com a própria essência da vida, com a troca entre as pessoas e com a humanidade.
É preciso se dar bem com o aspecto de separitividade e escolher o caminho do meio. Muitas vezes nos vemos projetados em lugares do plano astral sutil, juntamente com seres altamente evoluídos, numa experiência saudosa de tempos atrás, encontrando amigos de vidas passadas ou do próprio período intermissivo**. E quando acordamos, nos sentimos sós diante da vida contínua que temos aqui. Achamos tudo sem graça, passageiro e sem vida presos num escafandro que é o corpo físico.
E de repente, no aqui e agora, nos é trazido experiências com pessoa que caem de paraquedas em seu caminho para serem ajudados por você. Um contexto totalmente diferente da vivência astral sutil.
Você se depara com pessoas com doenças terminais te pedindo ajuda, pessoas com desejos de se suicidarem, por estarem em depressão, outras com síndrome do pânico suplicando por conselhos, passes energéticos ou uma boa conversa de esclarecimento e compaixão.
Na verdade, o que devemos ser nessa vida? O que devemos fazer ou escolher nessa vida? A meu ver, devemos simplesmente estar presentes na vida, viver o momento que lhe é fornecido pelo universo fazendo o melhor de você diante o que se passa em sua trajetória nesse mundo. Jamais esquecer a experiência do encontro com seres amorosos, sutis e bondosos, que lhe foi proporcionado através de uma meditação ou de uma projeção astral***e tentar trazer essa vivência para o seu dia a dia na troca com as pessoas. Principalmente com amigos que estão passando dificuldades, sejam elas psicológicas, emocionais ou físicos. Não devemos fugir da realidade que atraímos. E sim, compreendê-la num contexto mais amplo de sabedoria e amor.
Se temos o dom de amar, de sentir o êxtase, da paz e da completude, é para ser usado em prol de algo maior. E esse algo maior é a benevolência na troca com o planeta e com quem habita nele. Sentir que podemos nos tornar ícones de referência para o outro, saindo do mundo egóico e irradiando essa luz em benefício dos outros.
Ancoragem é isso. Vivenciar o samadhi****, a expansão da consciência, o encontro com o Todo*****, ou o encontro com Seres de Luz e ao mesmo tempo trazer para a sua vigília na troca simultânea ao redor.
Perder o contato com a ajuda às pessoas é perder o contato com a Luz! De que adianta viver tendo experiências sutis, se nem ao menos queremos estar reencarnados praticando o amor?
Acredito sim, que de tanto querermos ajudar e estarmos dispostos a sermos canais de bondade, acabamos por merecer experienciar vivências altamente sutis e com uma riqueza espiritual sublime.
A chave é trabalharmos mais a nossa bioenergia, através do desenvolvimento energético e psicológico dos nossos chakras, conhecendo suas carências e emoções equilibrando-as, irradiando a própria energia de amor a humanidade e meditando no aspecto de trazer para o seu dia a sutileza vivida para o plano mais denso na troca com as pessoas. Temos experiências sutis, mas vivendo num corpo denso. Esse é o grande lance. Sutilizar nossas emoções através da experiência iluminada e sermos canais para o desenvolvimento de todos em sua volta.
Vamos perder esse orgulho de nos sentirmos diferentes dos outros, por termos insights luminosos e usarmos essa ferramenta maravilhosa para fazermos algo real, concreto mas baseado num só sentimento que é o amor!
Muita Paz e muita Luz!
Liliane Moura Martins

Chakras* - do s^nscrito - são os centros de força situados no corpo energético e tem como função principal a absorção de energia do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico.
Período intermissivo** - período que o espírito fica desencarnado no plano astral, antes de reencarnar no plano físico .
Projeção Astral*** - capacidade parapsíquica - inerente a todas as criaturas - que consiste na projeção da consciência para fora do seu corpo físico.
Samadhi**** - sânscrito - expansão da consciência, estado de consciência cósmica.
O Todo***** - expressão hermética para designar o Poder Absoluto que está em tudo. O Supremo. O Grande Arquiteto do Universo. Deus. O Amor Maior que Gera a Vida. Energia Cósmica.